Você sabe por que o Natal tem data fixa no calendário e a Páscoa não tem?

Você sabe por que o Natal tem data fixa no calendário e a Páscoa não tem?

Que a celebração de Natal é anualmente comemorada em 25 de dezembro, todos já sabem. Porém a Páscoa, todos os anos é comemorada em uma data diferente. Essa mudança anual gera curiosidade e muitos não entendem ou não conhecem o porquê dessa alteração de data. Pensando nisso, nós do Jornal Tribuna Popular, fomos atrás da resposta que você confere abaixo. Pode até parecer pegadinha, mas não é: neste ano a Páscoa vai ser comemorada em 1º de abril, também conhecido com o Dia da Mentira. Coincidências à parte, a verdade é que a data possui um significado maior do que apenas ovos de chocolate e do Coelho.

Diferente do Natal e de outras festas religiosas, a comemoração da Páscoa muda a cada ano, ocorrendo sempre entre 22 de março e 25 de abril. Essa alteração ocontece, pois há uma relação com o Pessach (que significa passagem em hebraico) – celebração da libertação do povo de Israel da escravidão no Egito. “Sabemos, a partir do Novo Testamento, que a morte e a ressurreição de Jesus aconteceu durante o tempo da festa da Pessach judaica. De acordo com os Evangelhos de Mateus, Marcos e Lucas, a última ceia que Jesus partilhou com os discípulos foi uma ceia de Pessach, enquanto o texto do Evangelho de João diz que Jesus morreu na data da Pessach. Naqueles dias, os judeus celebravam a Pessach no 14º dia do primeiro mês, de acordo com os mandamentos bíblicos .Cada mês do calendário judeu inicia-se numa lua nova, sendo que o 14º dia seria de lua cheia. O primeiro mês, chamado de Nisan, era o mês que começava na lua nova da primavera”, explicou o Pastor Mauri Magedanz.

HISTÓRIA
Uma resposta breve é que no século IV foi decidido que a Páscoa cairia após a primeira lua cheia vinda depois do equinócio vernal, ou da primavera no Hemisfério Norte (equinócio é o dia no ano em que a duração do dia e da noite são equivalentes. Isto acontece duas vezes ao ano, uma na primavera e outra no outono).
Em outras palavras, a Pessach era celebrada na primeira lua cheia após o equinócio de primavera e, por isso, esta era uma festa móvel no calendário. “Fontes mais antigas nos contam que isto logo levou os cristãos em diversas partes do mundo a celebrarem a Páscoa em dias diferentes”, salientou Mauri.

DATA ALTERNADA
Segundo a tradição cristã, a festa marca o dia da ressurreição de Cristo, em um domingo. Para a tradição judaica, marca a fuga dos judeus do Egito, liderados por Moisés. Mas porque elas não são celebradas no mesmo dia? As celebrações são comemoradas em datas diferentes, pois havia uma dificuldade em calcular a data da festa com antecedência, já que a astronomia romana não era tão desenvolvida e a festa estava relacionada ao ciclo lunar. Dessa forma, o problema foi resolvido ao se fixar datas eclesiásticas, diferentes das datas astronômicas.

Sendo assim, fixou-se a Páscoa no primeiro domingo após a primeira lua cheia eclesiástica. Com tanta mudança, a Páscoa é hoje celebrada em datas diferentes por judeus, católicos e cristãos ortodoxos. “Independente de data fixa ou móvel, o que importa é que neste tempo de Páscoa, proclamamos ao mundo inteiro a vitória da vida sobre a morte, a vitória de Deus contra o mal, a vitória do amor sobre o ódio. Páscoa é ressurreição, vida nova, vida com Cristo. E que todos nós vivamos a Páscoa de Cristo!”, finalizou Mauri.

CURIOSIDADES sobre a páscoa cristã

– É a partir da Páscoa que todas as outras datas do calendário são estabelecidas. Os cristãos passaram a festejá-la no primeiro domingo depois da primeira lua cheia do outono (no hemisfério sul). Dois dias antes do domingo de Páscoa é a Sexta-Feira Santa. Quarenta dias antes é a Quarta-Feira de Cinzas e, portanto, 43 dias antes, o Carnaval.
– Na tradição cristã, Jesus foi crucificado e sepultado numa sexta-feira, mas ressuscitou na madrugada do domingo. O sábado entre os dias é conhecido como Sábado de Aleluia, no qual se comemora a permanência de Jesus Cristo no túmulo. O domingo anterior ao dia da Páscoa é o domingo de Ramos, quando se celebra a entrada de Jesus em Jerusalém.
– O Domingo de Ramos marca o início da Semana Santa. A data recebeu este nome em referência ao trecho bíblico que narra a visita de Jesus Cristo a Jerusalém poucos dias antes de sua crucificação. Ao saber que Cristo estava próximo da cidade, a população cortou ramos de árvores, ramagens e folhas de palmeiras para recebê-lo. Ele entrou no lugar no dia seguinte, montado em um jumento, e foi recebido com o abanar de folhagens e os clamores de “Rei dos Judeus”, “Hosana ao Filho de Davi” e “Salve o Messias”. A manifestação causou muita inveja nos poderosos da região, que começaram a se organizar para condenar Jesus à morte.
– O Domingo de Ramos marca o início da Semana Santa. A data recebeu este nome em referência ao trecho bíblico que narra a visita de Jesus Cristo a Jerusalém poucos dias antes de sua crucificação. Ao saber que Cristo estava próximo da cidade, a população cortou ramos de árvores, ramagens e folhas de palmeiras para recebê-lo. Ele entrou no lugar no dia seguinte, montado em um jumento, e foi recebido com o abanar de folhagens e os clamores de “Rei dos Judeus”, “Hosana ao Filho de Davi” e “Salve o Messias”. A manifestação causou muita inveja nos poderosos da região, que começaram a se organizar para condenar Jesus à morte.
– . O costume de se trocar ovos na Páscoa começou nos primórdios da tradição da data. Mas a substituição dos ovos de verdade pelos de chocolate veio só no século 19, primeiramente na Alemanha. O ovo é um símbolo de nascimento, de renovação da vida – o mote da celebração da Páscoa.

Fechar Menu